expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Mãe Guiné…!

Minha pátria tão querida, em ti Guiné-Bissau,
Nasci, Cresci e estudei.
Passei os melhores momentos da minha infância
com os meus familiares em ti Bissau.
Lembro-me dos melhores momentos da minha
infância e da minha adolescência em que eu
brincava, cantava e dançava roda na minha escola
com as minhas amigas e os meus amigos, até naquele
dia que despontou a mágoa e o terror.
“Não chora Mãe!”

Mãe Guiné, eu não me esqueço dos declines momentos
da minha infância e da minha adolescência.
Em ti mãe, vi pessoas a lastimarem a perda dos seus
familiares.
Vi os seus filhos a massacrarem-se uns aos outros pelo
crédito e ainda vi os seus filhos que já mais querem saber
de ti.

Guiné! Quantos filhos já perdeste na clandestinidade?
Com certeza, são muitos incontáveis, inocentes, humildes,
incansáveis que viraram-te as costas, mais do que aqueles
que já perdeste na guerra colonial e na falsa “J garandi”
e que até hoje continuam a morrer.
Tudo isso, porque os “m`bai luta” apoderaram de ti Mãe.
Porquanto puderam avaliar a nossa mãe e a nossa dor?

Quem conhecia a Guiné, de um povo humilde, Patriota,
hodiernamente não é a mesma, parece uma selva.
Vendo hoje os seus filhos a desperdiçarem inteligência
nas obras, limpezas e na escravatura moderna pelos 5
cantos do mundo, da p´ra saber em ti só nos resta caos,
a má fé, hostilidade e a calúnia.
Tudo isto, porque os “m´bai luta” fizeram de ti património
privado.
“Não chora Mãe!”

Mãe Guiné! De ti, ninguém ousa e nem se houve a falar do
caos e da má política que se vive quotidianamente e muito
menos criticar a má governação dos seus automobilistas,
é porque estamos atentar contrapor aos seus ideais.
Estas criaturas com a encarnação tentadora, tiraram da
gente pessoas humildes que um dia podiam vir a mudar
o nosso destino.

A quem perguntaremos da nossa liberdade e do nosso
destino? Já que somos enteados e não filhos.
Mas, como Deus dá frio conforme agasalho, tenho fé, de
que um dia serão contrariados pela “dona J”.
“Não chora Mãe!”
Que Deus abençoe o povo guineense.





Eu tenho um sonho

4 comentários:

ParadoXos disse...

de facto, admiro em ti, amigo, a capacidade de traduzir em palavras este apego à terra e às raizes que nos agarram ao chão materno... cada texto teu é sempre uma revelação para mim, tens uma história, tens o futuro para além da palavra, um dia verei esse sonho concretizado no concreto da tua força de viver e de sonhar


um forte abraço de estima e muito respeito


Heduardo

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Alatem!

Muito triste o seu relato!!!

Não perca a esperança ,vocês não são enteados,são filhos de Deus e um dia,tenho certeza por Ele serão acolhidos!

Fique em paz e não perca a esperança!

Um dia a justiça será feita!

Com carinho e saudade de sua amiga brasileira!

Sonia Regina.

Rosa Nunes disse...

ESTÀS NO CURSO ERRADO.TENS VEIA POÉTICA.CONTINUA.UM BEIJO!ROSA NUNES.

Anónimo disse...

parabens espectacular ,adorei espero que um dia passamos ser todos filho e nao enteados !!!